31 de maio de 2011

O PODER DIVINO


Crer no Divino Poder é como abrir todas as portas e janelas de uma casa para que entre, em torrente avassaladora, o ar puro que renova e transforma tudo.


Devemos crer no Triunfo, embora não o vejamos. Ele é como um tesouro que está oculto num deserto inexplorado.


A ciência será tua força, a fé tua espada e o silêncio teu escudo.

30 de maio de 2011

CHANUCÁ - FESTIVAL DAS LUZES

"Chanucá ou Hanucá (חנכה ḥănukkāh ou חנוכה ḥănūkkāh) é uma festa judaica, também conhecido como o Festival das luzes. "Chanucá é uma palavra hebraica que significa "dedicação" ou "inauguração". A primeira noite de Chanucá começa após o pôr-do-sol do 24º dia do mês judaico de kisliev e a festa é comemorada por oito dias. Uma vez que na tradição judaica o dia do calendário começa no pôr-do-sol, o Chanucá começa no 25º dia."
"Por que chamamos Chanucá de Festa das Luzes? Por que não a Comemoração do Azeite ou o Milagre dos Oito Dias?

O radical da palavra Chanucá é chinuch, que significa educação.

Chanucá é um processo espiritual cumulativo, através do qual o total das trinta e seis luzes que são acesas crescem para revelar a luz da Criação.

O que é luz?

A luz é geralmente usada como metáfora para sabedoria. O símbolo universal para o entendimento em um desenho ou ilustração gráfica é uma luz ou raio. Luz. Ver. Pessoas de todas as culturas, quando apreendendo um conceito que está sendo explicado, usam nos mais diversos idiomas, uma palavra: ver. "Oh, estou vendo", dizemos, quando finalmente passamos a entender alguma coisa.

Maimônides escreve que um profeta pode vivenciar um raio de luz, de radiância, que ilumina seu caminho. "Luz" é freqüentemente usada na Torá para exprimir conhecimento e sabedoria. Com as palavras "Que haja luz," a criação do mundo emergiu. O Talmud explica que esta luz iluminou Adam e Eva por trinta e seis horas, do meio-dia da sexta-feira por todo o dia do Shabat, quando "Adam pôde ver do fim do mundo até seu [outro] fim." Durante esse tempo, a Luz Primordial, a sabedoria interior de propósito e verdade, foi exibida à humanidade.

Mas para este propósito da criação ser realizado e a ordem de vencer a escuridão fosse manifestada, esta luz intensa foi oculta do universo, armazenada para um tempo que ainda chegaria.

Desde então, ansiamos por aquela luz, nós a procuramos e buscamos em oração, estudo e meditação. Porém, mesmo em nossas horas mais sombrias podemos acessar esta lembrança nascida das 36 horas em que nós, humanidade como um todo, vivemos nesta luz. "Onde deveria estar oculta esta luz?" pergunta o Midrash, "na Torá." Em sua radiância sentimos a sabedoria, propósito, e a intenção da criação.

Em toda geração há 36 almas elevadas presentes que apóiam, nutrem e guardam esta luz. Ocultas, discretas, e praticamente desconhecidas, estas 36 pessoas justas são centelhas daquela Luz Oculta. Por meio da consciência refinada desses justos, a luz da Torá permeia o mundo.

Durante os oito dias de Chanucá, nosso mundo está luminoso com esta luz gloriosa.

Diferentemente das velas do Shabat, as luzes de Chanucá não podem ser utilizadas para o prazer pessoal. "Estas luzes são sagradas… podemos apenas contemplá-las". Pois embora nossa percepção possa ser embotada, nós fomos, e essencialmente somos, amos da visão. De fato, as luzes de Chanucá são colocadas na janela como um farol dizendo a todos os passantes que as trevas podem ser dissipadas com sabedoria, que a obscuridade pode ser iluminada com a verdade.
Ao mesmo tempo em que Chanucá comemora o passado, celebra também o presente e o futuro. Pois embora Chanucá celebre os milagres de uma simples ânfora de azeite ardendo por oito dias, também imbui o mundo com a esperança da Redenção, quando a luz triunfará sobre a negatividade. Isso é tanto passado e futuro, e como durante as 36 horas do começo da humanidade, "não haverá fome ou guerra, inveja ou rivalidade. Pois o bem será total, e todas as iguarias tão comuns como a poeira. A ocupação do mundo será apenas conhecer a D’us. 'Pois a terra estará repleta com o conhecimento de D’us, como as águas cobrem o leito dos oceanos.'" (Maimônides)."

(Por  DovBer Pinson)


Referências:http://pt.wikipedia.org/wiki/Chanuc%C3%A1
Imagens:estudosjudaicos.blogspot.com
                 feipr.org.br

29 de maio de 2011

EU AMO A LUZ

REVITALIZAÇÃO CÓSMICA

   


Eu declaro a minha independência como ser livre que EU SOU
Abro minha alma ao amor divino
Uno-me ao Criador e me liberto de todos os laços que me aprisionam
EU SOU senhor absoluto de minha vontade
e respeito às leis eternas que regem todas as coisas em todos os planos
Sobre os influxos do amor
sinto a serenidade que me conduz a mente do infinito
Abro conscientemente as minhas asas
e alço vôo rumo à luz
Desfaço-me de todos os acordos e associações que me aprisionam
e me guio para a minha liberdade
Anulo todos os contratos e ligações com todos os seres sob forças avessas
e me declaro livre
EU SOU a expressão imaculada do amor sagrado


EU SOU livre…
EU SOU livre…
EU SOU Livre…

EU SOU livre como o meu Pai me criou
Quebro todos os vínculos
com qualquer coisa que me impede a minha ascensão ao coração de Deus
meu Pai
Amparo-me sob a proteção dos Anjos de Bem
para que eu possa agir livremente conforme a minha vontade
que é a vontade de Deus
Liberto-me das invisíveis mãos que me seguram
e retardam e me envolvo na força e na coragem que me trazem a liberdade
Nutro-me do poder do poder do amor
para alcançar a vitória em meus empreendimentos
EU SOU a chama divina
e me estabilizo na força de todo o meu poder de vontade própria
Por isto Eu Afirmo


EU SOU livre
EU SOU livre
EU SOU livre

Eu tenho o vigor da decisão firme na busca da minha libertação,
agora me declaro um ser livre
EU SOU dono da minha vontade
e faço o meu caminho com o auxílio daqueles que me guiam
protetores enviados pelo meu Pai – Deus
EU SOU luz e não admito sombras no raio de aço em que pertenço
Fecho a minha aura
e deixo nela penetrar somente a energia Crística de puro amor
Alio-me aos divinos seres
que trabalham para a fraternidade de todos os meus irmãos
Coloco-me de joelhos
e estendo as minhas mãos em clamor ao Espírito Santo de Deus
Para que Ele envie a mim seus Anjos
para que neste auxilio eu possa ir em direção ao rumo certo da minha libertação
EU SOU livre…
EU SOU livre…
EU SOU livre…


Agora EU SOU livre
Filho da liberdade no Supremo Ser – Deus
Vibro na freqüência do Cristo que interpenetra todos os seres em todos os mundos
Dissolvo em mim as crenças que não fazem parte do meu ser
e Intensifico em mim a força Una do amor Divino
Eu vivo em oração e sinto a harmonia
e sou o Senhor absoluto de minha vontade e dos meus pensamentos
Eu tenho o livre arbítrio de fazer o que eu quiser
por que EU SOU livre
e por isto busco a União com o meu Criador
EU SOU livre
e sei que a garantia da minha liberdade está em meus pensamentos
e atos que respeitam a Lei Suprema
que governa integralmente o pulsar de toda a vida
Eu fui Criado sob as Leis do Amor
e nelas devo permanecer em harmonia
EU SOU filho da força da saúde e da beleza
Deus.
Amada presença de Deus
irradia a vossa luz em meu coração e em meus pensamentos
Liberte meu corpo
e a minha mente de todos os entraves para que eu possa trabalhar em pró -
em pró de todos e em total comunhão com a luz –
Sagrada Eterna
Em nome da Poderosa Presença de quem EU SOU
do meu Santo Cristo Pessoal da energia Cristica que transforma todos na realidade Divina
Elevo minha consciência a Deus -
me purifico e me liberto de todas as energias densas e negativas

Eu Amo a Luz
Eu Sirvo a Luz
Eu Vivo na Luz


Agora e para Sempre ..
Sempre…Sempre… Sempre… 
Amor e Paz…


Lavínia Harue Tripoloni

28 de maio de 2011

RESSONÂNCIA ELETROMAGNÉTICA

O que é Ressonância?
Trata-se de uma propriedade ondulatória que envolve a interação de, pelo menos, dois corpos.
A propriedade mais importante da ressonância é a transferência de energia. Toda propagação ondulatória é uma propagação de energia. Quando um sistema oscilante gera uma onda com uma
determinada freqüência, esta se propaga e parte de sua energia é transferida a outros sistemas oscilantes por ela atingidos, mas para aqueles sistemas que tiverem a mesma freqüência do sistema oscilante gerador, essa transferência de energia é máxima.

Ressonância Eletromagnética
Para que ocorra ressonância de ondas eletromagnéticas na atmosfera terrestre é preciso que nela existam pelo menos uma fonte geradora dessas ondas e um sistema oscilante que com elas possa entrar em ressonância. Ambos existem. Vamos apresentar primeiro o sistema oscilante, nesse caso chamado de"cavidade ressonante".
A cavidade ressonante da Terra


Resguardadas a forma e a escala das dimensões, as ondas eletromagnéticas se comportam na região compreendida entre a superfície da Terra e a ionosfera, de forma análoga às ondas sonoras em tuboaberto nas duas extremidades, daí essa região ser considerada uma cavidade ressonante.
A cavidade ressonante terrestre constitui-se de duas cascas esféricas paralelas entre si, algo bem diferente de um tubo. Além disso, enquanto a casca inferior - a superfície da Terra - é bem definida, a casca ome indica, é uma região da atmosfera com alta densidade de íons - átomos que perderam um ou mais elétrons -, portanto suas dimensões dependem do número e da distribuição de elétrons livres da ionosfera.
Os íons formados e os elétrons por eles liberados se originam dos átomos dos gases que compõem a atmosfera por ação da radiação solar e dos raios cósmicos. Como essa ação é variável, sobretudo a da radiação solar, pois o movimento de rotação da Terra faz com que as regiões ensolaradas e as regiões de sombra se alternem ciclicamente, não é possível definir com precisão os limites da ionosfera.
Para o nosso caso, interessam à região em que a densidade de elétrons livres é maior, entre 50 km e 150 km, onde predomina a reflexão das ondas eletromagnéticas. Esse é o limite superior da cavidade ressonante e define sua forma: uma casca esférica de 50 km a 150 km de espessura. Avalia-se que dentro da cavidade ressonante da Terra ocorrem cerca de 100 relâmpagos por segundo - é fácil imaginar que em muitos intervalos de tempo ocorram seqüências de descargas elétricas com certa regularidade gerando ondas eletromagnéticas com as mais variadas freqüências. A maior parte dessas ondas eletromagnéticas tem freqüências que não se "encaixam" na cavidade ressonante terrestre e se dispersam rapidamente, por isso são chamadas de whistler waves ("ondas apito" em inglês); outras, ao contrário, "encaixam-se", ou seja, entram em ressonância - é a esse fenômeno que se
dá o nome de Ressonância Schumann, pois foi o físico W. O. Schumann quem o detectou pela primeira vez. A freqüência fundamental da Ressonância Schumann deve ser, aproximadamente, o tempo que a radiação eletromagnética leva para circundar a “concha esférica”, cujo limite interno é a superfície da Terra e o limite externo é a ionosfera. Sendo que, a velocidade da luz é de mais ou menos 300.000 km/s e um ciclo da circunferência da Terra, é de mais ou menos 40.000 km, a freqüência fundamental devia estar na ordem de:
300.000 km/s
----------------- = 7,5 ciclos/s


40.0000 km


Um ciclo/s equivale a 1 Hz, de forma que 7,5 ciclos/s é 7,5 Hz.
A real Ressonância Schumann é experimentalmente observada dentro do espectro de freqüências que variam entre 6 e 50 ciclos por segundos; especificamente 7, 8, 14, 20, 26, 33 e 45 Hz, com uma variação diária de aproximadamente +/- 0,5 Hz.
A ressonância fundamental observada de 7,8 Hz é bastante próxima da estimativa teórica de 7,5 Hz. Desde que as propriedades eletromagnéticas da cavidade da Terra permaneçam as mesmas, estas freqüências também permanecem a mesmas.
A freqüência fundamental pode ser modificada devido a vários eventos:


A intensidade e configuração de campo magnético da Terra, que vem se enfraquecendo nos
últimos 2000 anos;


A composição e propriedades da atmosfera;
A localização e propriedades da ionosfera;
ciclo de manchas solares;
Tempestades eletromagnéticas do Sol;
Propriedades eletromagnéticas da Terra;
Projeto HAARP (High Frequency Active Auroral Reserach Program);
Tempestades com trovões;
Se você olhar para o interior da Terra, você verá que existe uma diferença física entre a rotação do núcleo interior em relação à superfície da Terra. Entretanto, leva mais ou menos 400 anos para que o núcleo interno realize uma revolução completa dentro da Terra, de forma que sua freqüência é de apenas um ciclo a cada 400 anos. É mais interessante observar a freqüência das correntes no limite entre o núcleo interno sólido e o núcleo exterior líquido. Desde que o núcleo interno tem um raio de cerca de 1.200 quilômetros, sua circunferência é de mais ou menos 7.500 quilômetros. Quantos ciclos (voltas) uma corrente elétrica, viajando na velocidade da luz (300.000 km/s), em torno da circunferência do núcleo interno (7.500 km) daria em 1 segundo? Isto corresponde mais ou menos a 300.000 / 7500, ou seja, 40 (ciclos/segundo). Em outras palavras, a freqüência natural da Terra no limite do núcleo interno é de mais ou menos 40 Hz, que coincide com o limite superior das freqüências medidas na Ressonância Schumann: 7,8, 14, 20,26, 33, 39 e 45 Hz. Então, as freqüências da Ressonância Schumann correspondem à faixa de freqüências naturais da Terra desde a sua superfície até o limite de seu núcleo interno sólido.
Schumann constatou em 1952 que a Terra é cercada por uma campo eletromagnético poderoso que se forma entre o solo e a parte inferior da ionosfera que fica cerca de 100 km acima de nós, criando o que se chamou de “cavidade Schumann”. Nessa cavidade produz-se uma ressonância (dai chamar-se ressonância Schumann) mais ou menos constante da ordem de 7,83 pulsações por segundo(hertz). Funciona como uma espécie de marca-passo, responsável pelo equilíbrio da biosfera, condição comum de todas as formas de vida. Essa ressonância está ligada ao sol e às condições ecológicas gerais da biosfera e da atividade poluidora humana. Sabe-se que o aumento crescente do uso de celulares favorece a poluição magnética a nivel de todo o sistema-Terra, além de interferir no equilíbrio magnético dos neurônios.


Verificou-se também que todos os vertebrados e o nosso cérebro são dotados da mesma frequência de 7,83 hertz. Empiricamente fêz-se a constatação que não podemos ser saudáveis fora desta frequência biológica natural. Antes, ela é extremamente propícia para o estudo e para o equilíbrio emocional humano. Quando nosso sistema biológico funciona nos parâmetros desta frequência, ele está em sintonia com a frequência magnética da Terra.

Experimentos que Schumann fez com estudantes, encerrando-os em “bunkers” isolados magneticamente, mostrou que ficavam perturbados. Introduzindo as ondas Schumann, voltavam, pouco tempo depois, ao estado normal. Detectou-se também que toda vez que os astronautas, em razão das viagens espaciais, ficavam fora da ressonância Schumann, adoeciam. Mas submetidos à ação de um “simulador Schumann” recuperavam o equilíbrio e a saúde.


Leonardo Boff  publicou um texto no Jornal do Brasil em 05/mar/2004, onde afirma:
"Empiricamente fêz-se a constatação que não podemos ser saudáveis fora desta freqüência biológica natural. Sempre que os astronautas, em razão das viagens espaciais, ficavam fora da ressonância Schumann, adoeciam. Mas submetidos à ação de um "simulador Schumann" recuperavam o equilíbrio e a saúde.  

Pois bem, não é necessário ser um cientista para ir até o site da Nasa e fazer uma consulta sobre esta afirmação tão surpreendente. Ao constatar que não há uma única palavra sobre o assunto. [A NASA pode não querer divulgá-la]. Leonardo Boff poderia desconfiar que esta informação sobre "simulador Schumann" não era muito confiável.

Curiosamente é até possível que as freqüências de Schumann tenham algum efeito sobre os seres vivos. Afinal, somos produtos de bilhões de anos de evolução, nos quais os ambientes terrestres exerceram forças fundamentais. Mas entre afirmar, em geral, que certo fator pode ter uma influência, e afirmar que ele é o responsável por todas as mazelas humanas, vai uma distância considerável. 

Porém, o fato é que, por milhares de anos as batidas do coração da Terra tinham essa frequência de pulsações e a vida se desenrolava em relativo equilíbrio ecológico. Ocorre que a partir dos anos 80 e de forma mais acentuada a partir dos anos 90 a frequência passou de 7,83 para 11 e para 13 hertz por segundo. O coração da Terra disparou. Coincidentemente desequilíbrios ecológicos se fizeram sentir: perturbações climáticas, maior atividade dos vulcões, recrudescimento do “el Niño”, maior degêlo nas calotas polares, aumento de tensões e conflitos no mundo e de comportamentos desviantes nas pessoas, entre outros. Devido à aceleração geral, a jornada de 24 horas, na verdade, é somente de 16 horas. Portanto, a percepção de que tudo está passando rápido demais não é ilusória, mas teria base real neste transtorno da ressonância Schumann.


O planeta deverá estar buscando formas de retornar a seu equilíbrio natural. E vai consegui-lo, mas não sabemos a que preço, a ser pago pela biosfera e pelos seres humanos. Apenas enfatizo a tese recorrente entre grandes cosmólogos e biólogos de que a Terra é, efetivamente, um superorganismo vivo, de que neste orbe a humanidade forma uma única entidade, como os astronautas testemunham continuamente lá de suas naves espaciais. Nós, seres humanos, somos Terra que num momento de sua evolução começou a sentir, a pensar, a amar e a venerar, e hoje, a se alarmar. Porque somos isso, possuimos idêntica natureza bioelétrica e estamos envoltos pelas mesmas ondas ressonantes Schumann.


Se quisermos que a Terra reencontre seu equilíbrio devemos começar por nós mesmos: fazer tudo com menos stress, com mais serenidade, com mais amor que é uma energia essencialmente harmonizadora. Para isso importa sermos um pouco anti-cultura dominante que nos obriga a ser cada vez mais competitivos e efetivos, gerando desequilíbrio generalizado nas relações humanas.

Mas afinal:
Qual a importância da Ressonância Schumann?


No âmbito da ciência, a Ressonância Schumann é um fenômeno de interesse quase exclusivo dos meteorologistas - ela permite monitorar indiretamente o nível global de incidência de descargas elétricas na atmosfera, pois grande parte delas ocorre em regiões isoladas ou inacessíveis. Muitos pesquisadores da NASA utilizam medidas da Ressonância Schumann rotineiramente para seus estudos da precipitação pluviométrica e do aquecimento global.
Como os relâmpagos estão associados às chuvas e tempestades e estas, por sua vez, à
temperatura do nosso planeta, o aumento da intensidade das ondas estacionárias detectadas indica maior
incidência de descargas elétricas e estas, de chuvas e tempestades. E, por fim, o aumento da incidência destas últimas indica o aumento da temperatura do planeta.
Assim, um acréscimo de cerca de 7% na incidência de descargas elétricas permite inferir que há um aquecimento global da ordem de 1 ºC. Outras pesquisas mostram que este percentual pode variar, porém, em todas elas, fica evidente a relação direta do aumento das descargas elétricas, com o aumento da temperatura média do planeta. Mais recentemente, nos últimos dez anos, a Ressonância Schumann tem interessado também aos biofísicos e neurocientistas. Uma razão para justificar esse interesse está na coincidência entre as faixas de freqüências de ondas cerebrais detectadas nos eletroencefalogramas (ondas teta, de 4 a 7 Hz; ondas alfa, de 8 a 13 Hz e ondas beta, de 14 a 25 Hz). Há várias pesquisas já realizadas e outras em curso buscando encontrar possíveis relações e conseqüências decorrentes da proximidade entre os valores das nossas freqüências cerebrais e das freqüências da Ressonância Schumann.
As freqüências naturais do cérebro humano são:


Ondas Beta (14 a 25 Hz)


Ondas Alfa (8 a 13 Hz)


Ondas Teta (4 a 7 Hz)


Ondas Delta (1 a 3,5 Hz)


Estes valores são médios, havendo algumas referências que citam outros valores, com pequenas variações. Verificar: ONDAS CEREBRAIS
As freqüências BETA são registradas durante a ativação extra do sistema nervoso central, ou
durante grande tensão. As freqüências ALFA têm sido associadas às pessoas adultas “ditas normais”, quando estão despertas, num estado calmo e repousante. As freqüências TETA ocorrem principalmente em crianças e, também, em estágios do sonho. As freqüências DELTA ocorrem o sono profundo, nos recém nascidos e em doença cerebral orgânica grave. Alguns experimentos mostram conexões entre os estados do cérebro e as ondas eletromagnéticas ressonantes, levantando a possibilidade de que o cérebro humano possa estar sintonizado com o planeta Terra.
O cérebro humano pode conter biomagnetita, o que pode dar a ele um senso eletromagnético. Isto forneceria um elo entre os cérebros e muitos tipos de fenômenos eletromagnéticos, inclusive, mas não limitado, aos fenômenos da Ressonância Schumann.
Pesquisas mostram que as freqüências de Ressonância Schumann interagem com o nosso cérebro, coordenando os pulsos elétricos, que nivelam à quantidade de seretonina e melatonina (substâncias reguladoras do ciclo diurno e noturno dos seres) do nosso organismo.
Esta matéria tem sido amplamente divulgada pela Internet, desde 2004, após uma publicação de Leonardo Boff (ex-padre e teólogo), baseado em dados do cientista norte-americano e geólogo Gregg Braden.

O tema é bastante controverso, pois várias áreas da ciência ainda estudam o fenômeno e pouco material se tem sobre o assunto. O importante é sabermos que estamos em “sincronismo” com o nosso planeta. Ou seja, variações que possam afetar o globo terrestre, afetarão o nosso meio-ambiente e, certamente, o ser humano.
Precisamos respirar juntos com a Terra para conspirar com ela em benefício de mais entendimento entre os seres humanos, de maior cuidado para com a Casa Comum e de uma paz mais duradoura para toda a humanidade.


Referências:

27 de maio de 2011

A ESPIRAL UNIVERSAL E A MÚSICA


Sabe-se que antes de o fazer pelo ar, o som se propaga pelo éter; este quinto elemento ou quintessência Hermética é a origem dos quatro restantes. Por sua extrema rarificação imaterial, superior à do fogo, com o qual às vezes se identifica, o éter é o veículo por excelência da luz inteligível e do som inaudível, cuja natureza vibratória faz serem todos os elementos uma só e mesma coisa, antes de se diversificar através dos sentidos até o mundo exterior. Por sua extrema plasticidade, pureza, e receptividade absolutas, a Tradição também assimilou simbolicamente este elemento à água, à substância universal. Por isso a concha marinha, cuja forma nos lembra ao yoni feminino e à orelha humana, é o representante unânime (como as conchas de água benta dos templos cristãos) do poder purificador, produtivo e “generativo” deste supra-elemento divino.
É de sobra conhecida a lenda que faz das conchas as conservadoras do som do mar. Esta propagação se realiza em forma ondulatória, da qual a espiral é símbolo por excelência. Diremos, ademais, que este símbolo está estreitamente vinculado ao logaritmo pentagramático do crescimento dos seres vivos, o que explica a estrutura espiral própria das conchas e caracóis, bem como a do ácido desoxirribonucléico que preside a corrente genética, e também outros muitos exemplos que omitiremos por enquanto.
A medicina pitagórica atribuía à música um poder terapêutico por excelência. Disso também nos dá referência a Alquimia, quando faz coincidir os centros musicais com os centros sutis, e estes com as oitavas do microcosmo humano. Assim vemos como a música, encarada desde uma perspectiva sagrada, é muito mais do que parece. E também que as naturezas do tempo e do espaço, da água e o fogo, unidas indissoluvelmente no éter, origem de sua vida, sendo fundamentalmente distintas, tocam-se num ponto onde, sem se confundirem, fundem-se numa Harmonia Única e Universal.
Sócrates, nas palavras de Platão, confirma as Musas como as primeiras protetoras da arte da música, de quem ela recebeu seu nome. Como já afirmamos, o tempo e o espaço se relacionam mutuamente através do movimento, e este não é senão a expressão dinâmica ou rítmica de uma harmonia cujos modelos são os números. Ritmo e proporção, semelhantes respectivamente ao tempo e ao espaço, são a métrica pela qual ambos ficam reciprocamente ordenados, conformando a presença viva daquela mesma harmonia que se dá por igual no céu e na terra. A própria geometria (geo = terra, metria = medida), que ordena idealmente o espaço, está virtualmente implícita na música como relação métrica de seus intervalos. Harmonia, número e movimento são, pois, termos equivalentes e mutáveis entre si, quanto se referem a uma mesma realidade, seja à arquitetura sutil e musical do Cosmo, ao ritmo respiratório, às pulsações do coração ou ao compasso alternado das fases diurna e noturna do dia.
O homem especialmente recebe com mais intensidade do que qualquer outro ser terrestre o ritmo pulsatório da existência, o que, num sentido, converte-o no mais capaz de reproduzi-lo. De natureza musical está feita a alma humana e sua inteligência, já que são elas as que captam as sutis relações entre as coisas; a maravilhosa articulação que a todas mantém unidas, com seus matizes, num todo indivisível que se vai revelando à medida que a unidade e a harmonia se impõem a nosso caos particular.
No homem, como num pequeno instrumento em mãos de um músico invisível, segundo se nos diz no hermetismo antigo e do Renascimento, encontram-se todas as potências, virtudes e ritmos do universo, homologadas ou em diapasão com a natureza de seu estado. No entanto, nem sempre se é consciente disso, já que seu diapasão particular não está, em geral, afinado com o tom universal.

O significado da espiral

"A vida é como uma espiral e não como uma linha reta. Passado e futuro se encontram em um infinito presente".

A espiral é a essência do mistério da vida. Assim como se centra, ela também para, se encontra, se retorce e, então, desce e sobe novamente em graciosas curvas. O tempo se retorce em torno de si mesmo, trazendo os ecos e vibrações enquanto que os caminhos vivos da espiral passam próximos um do outro. A vida corre por estradas sinuosas, os seres se encontram em determinados pontos de suas caminhadas, se entrelaçam, se afastam, partem, retornam às origens. O ponto de partida também é o ponto de chegada trazendo-nos a questão do retornar sempre, reencontrar-se e se renovar.

As espirais também circulam dentro de nós, a energia circula em espiral, é onde a matéria e o espírito mais perfeitamente se encontram, e o tempo, por ele mesmo, não existe. Os nativos lembram as diversidades da vida e dos caminhos, e não compreendem o mundo de forma linear, o seguir em frente em uma única direção como se a vida fosse uma linha reta traçada entre um ponto de início e um de término. O destino é sempre ir além. O grande desafio de todo ser, por natureza um guerreiro trilhando as estradas das espirais da vida, é essa busca, é o retorno, é a partida, é caminhar em círculos/ciclos assim como caminha a natureza, pois somos parte dela. É fazer girar a roda do tempo, não nos prendendo em nenhum ponto em específico porque, assim, podemos vislumbrar os mais diversos pontos que compõem a espiral.

Sobre as formas espiraladas e circulares, Alce Negro, dos Oglala Sioux coloca o seguinte: "Tudo que o poder do mundo faz é feito em círculo. O ceú é redondo, e tenho ouvido que a terra é redonda como uma bola, e assim também o são as estrelas. O vento, em sua força máxima, rodopia. Os pássaros fazem seus ninhos em círculos, pois a religião deles é a mesma que a nossa. O sol nasce e desaparece em círculo em sua sucessão, e sempre retornam outra vez ao ponto de partida. A vida do homem é um círculo, que vai da infância até a infância, e assim acontece com tudo que é movido pela força. Nossas tendas eram redondas como os ninhos das aves, e sempre eram dispostas em círculo, o aro da nação, o ninho de muitos ninhos, onde o Grande Espírito quis que nós chocássemos nossos filhos".

Para os antigos celtas essa é toda a essência do mistério da vida. O circular, o espiralado. O tempo, uma das triplas linhas tão importantes para o imaginário celta, se retorce em torno de si mesmo. Os astecas achavam que certas flores que tinham em seu centro espirais, eram a alegria do mundo, mostrando o ciclo do sol, quando nasce e se põe, as estações, solstícios, ciclos assim como a vida dos homens. Os orientais falam da kundalini, do fluxo de uma energia em espiral, dos redemoinhos energéticos que perambulam nossos corpos.

Como vórtex de energia, as espirais encontradas em vestígios antigos expressavam um entendimento do cosmos, da energia vibrante, da vida, ou o seu contrário. Tradicionalmente, os ancestrais compreenderam que espirais no sentido horário representavam o nascer, o sol, a vida, o mundo de cima, a transformação pelas experiências exteriores. Para o sentido anti-horário, representavam a lua, a morte, o outro mundo, o mundo de baixo, o mundo dos sonhos e alucinações, intuição, as experiências transformadoras vindas do nosso interior. Para os hindus, o que no nosso mundo terrestre era no sentido anti-horário, para a esquerda, no mundo de baixo, no outro mundo, correspondia ao sentido horário. Hoje sabe-se que esses simbolismos expressam as funções cerebrais, o lado esquerdo do cérebro regula o lado direito de nosso corpo, o lado direito regula o lado esquerdo do corpo. Nem bom, nem mal, apenas diversidades que compõe o universo, uma perfeita simbiose, uma perfeita composição de energias.


Se vermos vários locais sagrados dos antepassados, desde o paleolítico, em qualquer parte do mundo, notaremos sempre a compreensão circular e espiralada. A espiral é a energia vital, é a energia em movimento, é a própria jornada.




A ESPIRAL DA VIDA

SEUS CICLOS E EVOLUÇÃO

A espiral é a representação material do movimento do universo.

Nós a encontramos tanto na configuração dos genes, quanto na morfologia humana, ou nas fotos das galáxias.

Ela se compõe de círculos abertos, que por estarem continuamente interligados tornam-se ciclos que evoluem em torno do tempo que lhes é próprio e que lhe serve de eixo.

Todo o Universo evolui segundo esta configuração acima descrita.

Assim, nosso “eu”, ou o conjunto de “eus” que nos cercam, são apenas alguns desses ciclos produzidos pelo universo.

Quando nós conseguimos acompanhar esses movimentos, este movimento de ciclos contínuos, nosso eu se harmoniza com aquilo que o cerca aqui e agora.

Algumas vezes, no entanto, nós não conseguimos seguir algumas viradas da espiral da nossa vida, no momento em que estas correspondem a outras situações mal vividas por nós anteriormente.

Este fato nos leva à constatação de que houve uma manutenção, a nível do “eu”, de uma configuração passada que, inconsciente, continua influenciando a ação presente, falseando dessa forma a percepção do que está exatamente acontecendo naquele momento.

Entre os sinais mais marcantes de que isto está ocorrendo, estãoa não aceitação de si mesmo,do outro como ele é,ou ainda,a sensação de estar dividido, em conflito entre duas decisões, situação essa geradora de angústia no presente, e de insegurança diante do futuro.

Em tais casos, o nosso pensamento está perdido no labirinto de uma realidade puramente subjetiva, num tempo puramente subjetivo.
No entanto, o nosso corpo, como toda a matéria , segue o tempo cósmico, e isto gera uma série de disfunções recíprocas, ou seja, isolado do tempo cósmico, longe do tempo físico onde o corpo existe, o “eu” não tem mais nenhum ponto de apoio.

Para que ele possa se locomover no espaço subjetivo, o “eu” precisa primeiro aprender a fazê-lo no espaço físico, no espaço do aqui – agora.

Somente quando ele puder se movimentar livremente no presente, no concreto, ele poderá fazê-lo igualmente no subjetivo, no abstrato.

Do contrário, ele será uma mera vítima das suas próprias ilusões.

Enquanto o “eu” não compreender de que modo ele está fazendo sofrer a si mesmo devido à interferência de formas arcaicas suas no presente, ele terá uma sensação desagradável de defasagem entre o subjetivo e o cósmico, ele será vítima da ilusão que alguém, a vida, o destino, ou a má sorte o estão prejudicando, ao invés de aprender a tomar decisões e a assumi-las.

E como o subjetivo não segue mais o cósmico, a vida será sentida como uma série de desencontros.
Esta sensação gera outra ilusão: a de uma oposição entre presença e ausência, vida e morte.

Esta ilusão nos impede de ver que estes fenômenos não existem isoladamente, mas representam simplesmente as duas faces de uma mesma realidade.

Esses desencontros ou oposições que nos fazem sofrer tanto, além de serem inevitáveis na existência de cada ser humano, são a maneira pela qual a vida nos revela a natureza do nosso “eu” que, antes da morte física, deverá passar por inúmeras mortes e renascimentos subjetivos.

Durante toda a nossa existência temos a ilusão de que falamos da mesma pessoa quando nos referimos a nós mesmos.

No entanto, esse “eu” não é o mesmo.

Ele é só um reflexo de estados subjetivos sucessivos.

Tanto é que o “eu” que fomos quando éramos crianças em quase nada corresponde aos desejos, ambições ou medos do “eu” que somos atualmente.
A mitologia faz alusão a este ser único, e múltiplo ao mesmo tempo, que é o nosso “eu”, através da figura do Phenix, este pássaro mitológico que morre e renasce das próprias cinzas.

Desta forma, para encontrar a sensação de unidade entre os descontínuos aparentes, o “eu” deve em primeiro lugar aprender a perder o seu medo de ” morrer”, de mudar de forma, sempre que seja necessário ou, como diria Goethe:

“Não me envergonho de mudar de opinião, porque não me envergonho de pensar”.

Assim, só quando nós aceitamos a possibilidade de perder tudo aquilo ao qual o nosso “eu” está apegado, só quando aceitamos o fato que podemos mudar todas as nossas opiniões, é que estamos preparados para tomar consciência do que está realmente acontecendo “aqui e agora” no presente, independente dos nossos medos e desejos.

Estar assim no presente é estar na eternidade, pois o que é assim presente nunca é passado ou futuro.

Então, o que nos impede de estar em comunhão com o presente são os fantasmas dos nossos “eus” passados, ainda em confronto com o medo da autoridade paterna ou do desamor materno, que confundem na nossa cabeça o que foi com o que é, levando-nos em seguida a formular falsas suposições sobre o que será.

No entanto, quando aceitamos nossa natureza de “Phenix”, a única coisa que morre em nós é o que já não era vivo, e cada uma dessas “mortes” leva-nos seguramente a uma vida mais autêntica.


Referências:

26 de maio de 2011

ONDAS DE LUZ




                                                *Um sino superior está tocando*



Algo especial está acontecendo no mundo agora  e já   faz algum tempo.
Estás revertendo uma tendência. Teu coração e mente vagam pelo mundo. Aquilo que   falas é ouvido ao redor do mundo. O que ouves ressoa  dentro de ti e cria ondas no exterior para ser repetido  àquele que falou e a todos os outros, perto ou longe.

Todos os problemas que lês nos jornais, pelo simples ato de ler, tu os propagas.
Todo e-mail que escreves alcança mais do que apenas o destinatário. Ele na verdade viaja nas ondas aéreas.            

Mesmo quando as ondas aéreas são supostamente silenciosas, elas são ouvidas. Até mesmo os surdos   podem ouvir. És um produtor e receptor de pensamentos.
O mesmo  pode ser dito em relação ao amor. Podes aumentá-lo ou não. Aqueles que possuem websites falam mais alto. A vibração deles vai mais longe. Aqueles que postam em websites fazem sua luz chegar    mais longe e mais rápido.

Teu voto pode não ser significativo, mas teus pensamentos são. Tuas palavras são. Teu amor é. O algo especial de que falo é que há um sino superior  tocando em todo o mundo. Apesar de toda a bobagem, há mais amor ressoando e esta onda está pegando.
Sabes que, onde há amor, o julgamento sai pela janela. Tremes ao pensar sobre a devastação que alguns  governantes impuseram ao mundo. Uma parte tua coloca simples Seres Humanos em duas filas, uma  é a fila que lhes dá permissão para viver e a outra, a que põe um X na vida deles.
As duas filas são a  personificação do julgamento. Quando julgas, com teus pensamentos, colocas as pessoas em uma destas duas filas. Basta! Faz uma só fila. Sabes bem qual. No mundo, tudo está de cabeça para baixo. E agora vais virar o mundo para cima.
Agora sabes que teus pensamentos afetaram todos que viveram. E agora queres o fim da crueldade e do ressentimento. Então, agora depena os corvos negros do teu coração e transforma-os em cardeais vermelhos de amor. Do julgamento para o amor. Do desdém para o  amor. Há muito mais espaço em teu coração para o amor.   
Dispensa o julgamento e terás aberto muito mais espaço para o amor florescer.
Se quisesses realmente eliminar a negatividade da face da Terra, tu não mais a publicarias. Substitui teus  pensamentos de desaprovação pelos de gentileza e amor,  mesmo sobre aqueles que te magoaram.

Encontrarás uma maneira, pois ninguém te magoou tanto quanto teus próprios pensamentos.
Aqueles que te causaram dor, estejam eles perto ou longe, sejam eles conhecidos ou não, já se esqueceram  de ti e não te estão magoando mais. Tomaste o lugar deles com teus próprios pensamentos. Com cada  pensamento nocivo que tens, abres as feridas.

És tu que deves acabar com a paródia da injustiça. És tu que deves transformar-te. És tu que deves eliminar os resíduos de julgamento de teu coração e teus  pensamentos. És tu que deves fazer as pazes contigo   mesmo e assim colocar paz no mundo.
Não amas a guerra, mas mesmo assim podes amar as pessoas que fazem a guerra. Tens que amá-las, mesmo assim, pois a paz depende de ti. Se realmente amas a paz, então tens que colocar teu dinheiro onde tua boca  está. Tens que parar de condenar a todos, inclusive a ti mesmo.
Nenhuma palavra de condenação deve sair de teus  lábios novamente. Nenhuma estória de transgressão  deve ser contada, pois quando contas, tu as apóias. Conta algo sobre a guerra e tu a declaras de novo.  Elimina a guerra de teu interior e cria paz. Declara trégua contigo mesmo. Vai ao silêncio do teu coração e encontre a paz que vive em ti.


Imagem: agrandefraternidadebrancauniversal.blogspot.com

VISÃO DO CORAÇÃO E A UNICIDADE

22/05/2011

O.M. AÏVANHOV – 22 de maio de 2011

Mensagem publicada em 24 de maio, pelo site AUTRES DIMENSIONS.

"E bem, caros amigos, estou extremamente contente por reencontrá-los.
Eu lhes transmito todas as minhas Bênçãos.

Então, eu venho, como de hábito, para interagir com vocês, ver se vocês têm questões e sempre avançar nesse Caminho que me é querido.

Então, eu sou todo ouvidos e escuto o que vocês têm a me perguntar.

Questão: eu tomo consciência de que não há acaso, e de que os mínimos detalhes da vida têm um sentido. É efetivamente exato?

Então, cara amiga, primeiro, vou dizer a você: nas bicicletas não há marcha ré, não é? Geralmente.

Isso quer dizer o quê?
Que nada é por acaso, a partir do instante em que o ser engaja-se no Caminho do Coração.
Ele procura, com Verdade, o Coração, e nele vive as Vibrações.

Naquele momento, o acaso é uma palavra a banir, uma vez que nós dissemos a vocês que tudo o que se desenrola em sua vida, naquele momento, far-se-á sob o princípio da Graça, sob o princípio da Fluidez da Unidade.

Isso quer dizer o quê?
Que, a partir do momento em que sua Vibração aproxima-se, e inclina-se para a Luz, tudo o que pode produzir-se vai ao mesmo sentido.
Portanto, a palavra acaso nada quer dizer.
Ela nada quer dizer, já nos tempos comuns.

Os seres humanos chamam de acaso as coisas que não conseguem compreender, com o Coração, justamente.

Mas eu esclareço a você que o acaso não existe, mesmo nos detalhes os mais insignificantes da vida ou da natureza.
Tudo é sustentado pelos campos de força (mesmo na prisão).

Uma árvore vai cair em tal lugar, fulminada pelo raio, ela vai esmagar uma casa.
Dirão que é o acaso, porque o ser humano, justamente, não tem acesso à percepção que se chama causal, ou seja, o verdadeiro Éter.
Mas é muito bom percebê-lo.
Poder-se-ia dizer que o acaso é apenas o nome para a Ignorância do Coração.
Mesmo na prisão.

Questão: recebi uma iniciação, de um movimento que achei um pouco sectário. Vivi, no entanto, essa iniciação como uma chamada à ordem para a Luz.

Perfeitamente.
Mesmo as coisas as mais opostas à Luz ajudam-nos a ir para a Luz.

Agora, todos os processos que surgem, atualmente, são apropriações da Luz por egos inchados, que estão persuadidos de que apenas eles é que podem transmitir a energia.
A energia não tem necessidade de ninguém.
A Luz está por toda a parte.

Questão: posso continuar a dar e receber essa iniciação, ou devo abster-me?

É uma iniciação que faz descer o Supramental.
Ora, o Supramental já desceu.

A única coisa que vocês têm a fazer é permitir a ele estabelecer-se no Coração.
Como eu disse, não há iniciação alguma que permita realizar isso.
É uma farsa crer que um ser humano vai abrir seu Coração.
É impossível.

Todo o princípio das iniciações (que é uma palavra presente desde numerosas centenas de anos sobre esta Terra) é um princípio magistral de Falsificação.
Não há qualquer ser humano que possa abrir o Coração.

Então, é claro, há técnicas energéticas Vibratórias, que permitem colocar em ressonância as estruturas.

Mas, o que é que se diz a vocês, a cada vez?
Isso se realiza, justamente, porque vocês Nada são.

Agora, a maior parte dos processos, chamados iniciáticos ou iniciações, não se chamam assim por acaso.

Iniciação vem do latim iniciare.
Isso quer dizer: colocar no Caminho.
Mas vocês são o Caminho.

Como é que algo pode pretender colocá-los num Caminho, uma vez que vocês são o Caminho?
E, em definitivo, para o Coração, não há Caminho, há apenas a perceber que vocês o São.

O que quer dizer que é sempre o ego que vai apreender-se desse tipo de trabalho, mesmo se, efetivamente, esse tipo de trabalho seja justamente feito para desencadear pilhas de mecanismos.
Mas esses mecanismos não visam, jamais, abrir o Coração.
Eles visam abrir o terceiro olho, exclusivamente.

Todas as iniciações que existiram, pelo passado ou agora (exceto em algumas tradições, onde há ritos de passagem que são extremamente precisos), visam apenas a uma coisa: é a inflação do ego, que se crê chegado.

Mesmo o CRISTO, frente a vocês, não poderia abrir seu Coração.

Nós sempre dissemos: apenas vocês é que destrancam as portas de seu Templo, de seu próprio Interior.

Vocês verão, aliás, que haverá um palanque de Cristos sobre esta Terra, se não está já feito.
Haverá um palanque de Marias.
Haverá um palanque de mestres do Supramental.
Isso faz parte da Falsificação.

Buda dizia: «quando você chegar ao nível dos poderes (ou seja, os Siddhis, os poderes da alma), salve-se rapidamente».
Porque se encontram, naquele nível, os poderes espirituais e, portanto, o ego espiritual, que se apropria da Luz, estando persuadido de ter chegado ao Coração.
É apenas um inchaço do ego.

Mas, eu repito, eu não digo isso para condenar, porque isso permite, justamente, durante este período, dar-se conta de onde está a Verdade.
E onde ela não está.

Enquanto um ser humano reivindica uma posição precisa sobre esta Terra (e, sobretudo, ao nível espiritual), vocês estejam seguros de enganarem-se grosseiramente e de que é um ego magnífico que se apresenta a vocês.
Então, é claro, os seres humanos têm sempre tendência a serem seduzidos.
Pelos homens políticos, pelas estrelas.
E, para aqueles que estão num caminho dito espiritual, eles serão seduzidos por aqueles que estão no ego espiritual.
É tão simples assim.

Mas nada há a condenar, é apenas um modo de tomar Consciência.

Questão: o que é a Visão do Coração?

Eu não posso definir-lhe a Visão do Coração.
É como se você me perguntasse como é a Multidimensionalidade.

Enquanto você mesmo não a viveu, nenhuma palavra pode corresponder à Verdade do que é vivido nas outras Dimensões.

Pode-se descrever o mundo astral, obviamente, dado que isso faz parte da Ilusão e do mesmo nível Vibratório que o seu.

Mas, assim que vocês penetram os estados em que não estão mais localizados num espaço ou num tempo, onde vocês não estão mais limitados por uma forma, é impossível falar disso com palavras humanas.

São espaços Vibratórios e esses Espaços Vibratórios não podem acompanhar-se de palavra alguma.

A Visão do Coração, quando você penetra ao Interior, você saberá instantaneamente o que é.

Do mesmo modo, quando você sai da matriz e penetra seu Corpo de Existência, não há qualquer questão que surja, porque não há mais mental.
Você o vive.
Você está na experiência da Vibração da Existência.

Mas, uma vez que você volte a esse plano, você não pode defini-lo.

Eu vivia isso, em minha vida, todas as manhãs, frente ao Sol.
Mas eu jamais pude disso falar.

Então, alguns seres que me viram voltar de minhas meditações, descreveram-me quão Transfigurado, quão Iluminado e quão irradiante de Luz.
São palavras.
Mas elas não correspondem, absolutamente, à realidade do que é a Existência.

Nesse corpo, estabeleçam-se no Coração.
Não se coloquem esse gênero de questão, porque isso não pode ser respondido por palavras.
Isso pode apenas ser Vibrado.

Do mesmo modo, ver com o Coração não pode definir-se, mesmo se possa traduzir-se, depois, por palavras.
Mas as palavras vão participar, já, da Falsificação do que é a Verdade desse estado.

Se eu lhes descrevo MIGUEL, em sua 18ª Dimensão, eu poderia fazer um raciocínio analógico (em relação a uma forma, em relação a uma ordem de grandeza), mas isso seria extremamente limitado e totalmente falso em relação à Verdade do que é.

Do mesmo modo que o ser humano e os princípios de iniciação são os mesmos.
É o princípio da Falsificação.
Quer dizer, o que é que farão os seres que lhes propõem iniciações atualmente?
Eles vão falar-lhes, é claro, de quê?
De Amor e de Coração.
Mas jamais vocês viverão a Vibração do Coração.
E a Ilusão a mais terrível é esta: é crer que o Coração é um conceito, que o Coração é simplesmente uma visão do espírito, ou um comportamento de tipo amor.
Nada está mais afastado do que essa visão.

O Fogo do Coração é um estado.
Quando vocês estão nesse estado, vocês sabem, porque vocês vivem certo número de marcadores (se se pode dizer).

Mas, nesse estado, não há mais questão, vocês são a Vibração, enquanto aqueles que estão na Ilusão vão falar-lhes de amor, todo o tempo, com grandes palavras.
Mas eles não o vivem.

É por isso que nós insistimos sobre a Luz Vibral.
Porque, nas iniciações, falam-lhes também da Luz.
E vocês vão fechar os olhos, e vocês verão uma luz fantástica que lhes preenche a cabeça.
Vocês verão coisas do passado.
Vocês verão o que se chamam os poderes da alma (ou seja, os Siddhis).
Mas isso não corresponde ao Coração.


E, é claro, muitos seres humanos iludem-se, crendo que chegaram ao Coração.
Eles chegaram ao coração do ego.
De onde é preciso rapidamente salvar-se.

Em resumo, enquanto vocês creem ser algo, vocês não podem ser o Tudo.

CRISTO ilustrou-lhes por sua vida: «seu Reino não é desse mundo».
Enquanto vocês creem que vão encontrar uma solução para a vida, pelas leis da vida nesta Dimensão, vocês se enganarão, seguramente.

Seu Reino não é desse mundo.
As Leis do Espírito não são as leis da matéria.
É o que quiseram fazê-los crer.

É muito importante: vocês não podem identificar-se ao que quer que seja.
Enquanto vocês creem viver uma iniciação, vocês não vivem o Coração.
O Coração não tem necessidade de reivindicar o que quer que seja.
O Coração é um estado de Paz, de Alegria (tudo isso nós dissemos, de diferentes modos), com Vibração.

A Luz Vibra.
Ela é Amor, mas não na cabeça.
Na Verdade do que é vivido.

Então, o exemplo que se pode tomar é: há, no ser humano, o sentimento amoroso que vocês sentem (com palpitações, por exemplo) quando reencontram alguém a quem vocês amam.
Por vezes, isso acontece mais abaixo, mas admitamos que aconteça unicamente ao nível do coração.
O coração vai acelerar, vocês terão uma emoção de amor.
Mas isso não é o Coração, é um sucedâneo do Coração.

O Coração é uma Vibração, que os estabelece na Unidade.

Obviamente, todas as escolas iniciáticas (e, sobretudo, desde o século XX) tudo fizeram para evitar falar-lhes da Unidade.
Porque aquele que descobre a Unidade está para além do Bem e do Mal.
E o Coração é exatamente isso.

Enquanto vocês falam de amor, há dualidade.
Quando vocês Vibram o Coração, há Unidade.

Na Vibração do Coração há todas as respostas, porque ela os coloca num estado de Plenitude.

Então, nesse estado de Plenitude, há várias fases.
Isso pode ser a Dissolução no Tudo ou, então, tornar-se como um ponto, nada mais.
Mas isso se acompanha sempre, no mínimo, da Paz e, no máximo, de Um Amor inacreditável, com uma Vibração de Fogo.

O Amor é um Fogo devorador, é o Fogo do Espírito.
Não é um conceito que se situa na cabeça ou numa energia que vai circular na cabeça.

Então, é claro, agora (desde a ativação das Estrelas, desde a Cruz da Redenção, desde o trabalho de METATRON), o terceiro olho luciferiano foi, como dizer..., estendido.
Portanto, ele não está mais confinado.

Mas há ainda seres que «chafurdam», literalmente, na Vibração desse terceiro olho, porque eles têm poderes.

Enquanto há o mínimo grama de poder em vocês, qualquer que seja (espiritual como para com outra pessoa), vocês não vivem o Amor, na Vibração.
O poder e o medo são duas coisas que se opõem, formalmente, à Vibração do Coração.

Questão: é exato que os seres de Luz, não vendo os humanos, utilizam, por vezes, o olhar de um animal para observar ou para manifestar-se?

Perfeitamente.
Vocês são invisíveis, isso se junta à questão precedente.
Vocês estão na Sombra.
A Luz não existe nesse mundo.

Por que os Anjos do Senhor, os Vegalianos, têm óculos um pouco específicos, cápsulas, sobre os olhos?
Para vê-los.
Vocês estão numa projeção.
E vocês são invisíveis, porque vocês estão na Sombra.

Então, obviamente, assim que um lugar, uma assembleia, dirige-se para o Coração, assim que um ser Multidimensional consegue penetrar em seu espaço, vocês serão iluminados.
O que explica também que, quando um Ser de Luz (e não um estúpido astral) chega à sua Dimensão (quando eu venho, por exemplo, nas curas espirituais), vocês sentem o que é feito.
Enquanto, no astral, não há qualquer percepção, há apenas emoções.
É toda a diferença.

Um Ser de Luz que se manifesta, aqui, entre vocês, aporta-lhes a energia.
Um estúpido astral que viria entre vocês, manifesta-se tomando-lhes sua energia.
Portanto, não há a estrutura específica do corpo mental do ser humano e confinamentos nos programas de vida, alterados ou falsificados.
Mas pode-se fazê-lo, também, do mesmo modo, no interior de um ser humano, como eu o faço aí.
E, aí, naquele momento, não é a visão pelos olhos (ainda que eu possa fazê-lo no curso de um processo específico de walk-in), mas é uma Visão do Coração.

Questão: manifestar-se pelos olhos de um animal corresponde a um objetivo específico?

É apenas uma observação.
Mas não é algo muito frequente, em todo caso, para seres humanos.
É mais fácil, para um Anjo, ver pelos olhos de um animal, porque este não está falsificado, mesmo se haja animais que são paródias da Criação.

Mas o animal obedece a um programa de vida, nesta Falsificação, que é justamente devido à ausência de mental.
Sem pensamentos, sem mental.

A partir daí, um Anjo pode muito bem enviar uma parcela dele, para ver através dos olhos.
Era, como dizer..., uma coisa corrente em minha vida, porque o Espírito Santo não havia ainda chegado sobre esta Terra.

É muito mais frequente (eu me esqueci de dizer) para os animais ditos domésticos.
É muito mais raro, por exemplo, para um leão ou para um tigre.
Mas nos gatos e nos cães, por razões precisas, ao nível Vibratório, é muito mais fácil.

Questão: por que existem corpos segundo as Dimensões, enquanto o Espírito é Espírito?

Mas o Espírito é um Corpo.
Simplesmente, eu repito, em sua cabeça, quando vocês falam de corpo, vocês falam de algo que é fixo numa forma, num espaço e num tempo.

Os Corpos de que falamos não têm limite algum de espaço, de tempo ou de forma.

Viver a Dissolução na FONTE é também certa forma de corporeidade, porque vocês definem um corpo em relação ao que vocês conhecem.

Mas o Espírito é uma forma de Corpo, porque, na matéria, vocês fazem uma oposição entre o corpo e o Espírito.
Mas o Espírito tem uma forma mutável.
O Espírito está Presente por toda a parte.
O Espírito não está localizado, ele viaja de Dimensão em Dimensão.

Por exemplo, o Arcanjo MIGUEL tem uma forma precisa na 18ª Dimensão, e uma Vibração precisa.
Ele tem outra forma, outra Vibração, na 5ª Dimensão e, no entanto, é o mesmo.
Mas ele está, ao mesmo tempo, aqui e em milhões de lugares ao mesmo tempo.

Vocês não podem compreender essas noções de Multidimensionalidade com seu cérebro.
Vocês apenas aplicam regras, chamadas ação / reação, corpo / alma / espírito, que não correspondem estritamente a Verdade alguma.
Porque vocês empregam um raciocínio analógico.
Mas isso não existe lá em cima.

Não há diferença alguma entre viver a Dissolução na FONTE e tornar-se um Ser de cristal.
É a mesma coisa.
O tempo não é o mesmo, ele não existe, no sentido que vocês o entendem.

Questão: mudar de frequência Vibratória faz migrar o Espírito de uma forma à outra?

Nos estados Multidimensionais, sim.
Se MIGUEL se aproxima da Terra (ele está no Sol, ele está liberando o Sol, desde anos), a Terra explodiria.
Ele é maior do que a Terra, MIGUEL, em sua Dimensão de origem.

Questão: durante os períodos de alinhamento, tive o cérebro amolecido, a cabeça que cai.

Isso quer dizer que a lagarta não se torna mais lagarta, ela se torna borboleta.
Como você pode penetrar a Multidimensionalidade mantendo esse corpo?
Portanto, aí, há percepções.
É um fenômeno de alinhamento com a Luz e de vivência da Luz.
É um estado em que, justamente, para aqueles que o vivem durante os alinhamentos, não há mais nada.
Não há mais identificação ao corpo, não há mais imagem.
Há apenas a Vibração da Luz Vibral e do Amor.
E nada mais.

Questão: quem me fabricou no Universo?

Você se fabricou sozinha.
Em contrapartida, os mundos carbonados foram fabricados pelos mestres geneticistas, bem antes da Falsificação.

Vocês podem participar de toda a Criação, de maneira Livre, quando vocês são Multidimensionais.
Quer dizer que vocês podem penetrar uma forma, pela necessidade de sua vivência, onde quer que seja.
E vocês se tornam essa forma, mas sem estarem fechados no interior dessa forma.

Portanto, há formas de Vida, em particular nas Dimensões, que se vai chamar de relativamente baixas (mas não é pejorativa, essa noção), em Vibrações suficientemente pesadas, que foram, literalmente, criadas pelos mestres geneticistas.
Mas, como lhes disse a FONTE, e como nós o dissemos: enquanto vocês são identificados a esse corpo, vocês creem que são esse corpo, ou esse Espírito, nesse corpo.
Não, é falso.

Tudo o que está aqui é uma Ilusão e uma projeção.
Portanto, é-lhes solicitado sair, não unicamente da prisão, mas considerarem-se, vocês mesmos, como não existentes.
Todos os seres que viveram a Unidade disseram isso, à maneira deles.
E martelaram isso, permanentemente.

E vocês não podem penetrar a Eternidade e a Existência quando aderem ainda à sua própria projeção.

Portanto, quem criou?
Mas vocês são os Criadores.

Quando se diz que, no Interior de cada Consciência Unificada, há o conjunto da Criação, é a estrita Verdade.
Aí também, vocês têm dificuldade para concebê-lo, porque vocês falam em termos de distância.

Por exemplo, tal sistema solar está situado a tantos anos luz.
Mas porque vocês estão no exterior.
Quando vocês penetram no Interior, são vocês, tudo isso.
Então, o cérebro não pode compreendê-lo, tampouco.
Apenas o Coração é que pode experimentá-lo e vivê-lo: isso se chama a Unidade.

Questão: ontem, sentia-me na paz, e tive lágrimas, que não senti como relevando de uma emoção. A que isso corresponde? 

As lágrimas assinalam (quando não é uma emoção ou uma lembrança, eu repito), uma reconexão à Essência.
É uma Alegria que se exprime assim.
Uma Alegria de natureza não emocional.
As lágrimas podem correr, sem que ali haja emoção.

Questão: temos três pontos AL diferentes: aquele do ponto de partida, na raiz dos cabelos, deslocado pela reversão do triângulo luciferiano, e aquele da ponta do nariz?

Bravo! Medalha! Vejo que você sabe contar.

O ponto AL é o marcador, quando a Lemniscata, em sua parte da linha do nariz está ativada, que traduz a ativação do 12º Corpo e de sua fusão com o 11º Corpo, que propicia a Visão Etérea.

Agora, é uma visão: lembrem-se de que as estruturas que vocês implementam são as estruturas do Corpo de Existência.
Vocês constroem, ao idêntico, o Corpo de Existência que está presente no Sol.
Portanto, efetivamente, há pontos localizados em sua estrutura física, que vocês percebem.

Porém, essa visão é um simples reflexo da Verdade nas outras Dimensões.

Nós insistimos sobre esses pontos porque a Consciência é Vibração, mas, compreendam, efetivamente, que há dezenas de Circuitos Vibratórios que se implementam.

Por exemplo, é como se vocês tivessem um bebê que aprende a andar, e é como se um professor de anatomia viesse e tentasse explicar onde se inseria cada músculo, esperando que o bebê aprendesse a andar.
Isso seria totalmente ilógico, não é?
É preciso fazer a experiência do andar.

Como um bebê faz a experiência do andar?
Primeiro, encontrando um equilíbrio.
Em seguida, apoiando-se na planta dos pés e tendo sensores ao nível dos pés.
Ele não se importa em saber se há tal osso em tal lugar, e que tal artelho vai desempenhar tal função.
Ele o vive.

Portanto, é exatamente a mesma coisa para seu Corpo de Existência.
Nós atraímos, simplesmente, a Atenção sobre Vibrações, nós Vibratórios, se preferem.
Porque, levando a Consciência sobre esses pontos de Vibrações, como vocês o fizeram aqui, vocês os colocarão no serviço e vão se servir disso.

Mas não é questão, como lhes disse UM AMIGO, de detalhar todos os Circuitos.
Os meridianos de acupuntura do corpo, aqui, funcionam.
E, no entanto, vocês os conhecem?
Vocês veem a diferença?

O importante é ter as estruturas Vibratórias que lhes permitem (no caso, se se toma o exemplo do andar) encontrar seu equilíbrio e apoiar a planta dos pés no bom lugar.
É tudo.
O resto tornar-se-á inteiramente natural, quando vocês estiverem em seu Corpo de Existência.
Vocês não terão que se colocar a questão.

Por exemplo, se eu quero mover o braço (para colocá-lo ali), não vou me colocar a questão de saber quanto espaço eu devo deslocar o braço para colocá-lo ali.
Isso se faz automaticamente.
É exatamente o mesmo princípio para a constituição do Corpo de Existência.

Atualmente, vocês sentem todos os pontos de Vibrações de algumas Estrelas, porque tudo isso se movimenta.
Naturalmente.

Não há, para muitos de vocês, mais necessidade de pensar nisso, para que estejam em Vibração.
A Luz é Inteligente, muito mais do que você (quando eu digo você, é você, no sentido da personalidade, é claro).

Por momentos, vocês sentirão uma Estrela ou um grupo de Estrelas e, depois, a um dado momento, vocês sentirão todas as Estrelas, ao limite, sem poder distingui-las umas das outras.

Portanto, não há necessidade de formalizar, na cabeça, uma vez que tudo isso é destinado a levar sua Atenção e, depois, a estabelecer-se sozinho.

Se vocês tentam colocar o ponto AL no ombro, eu garanto que ele não irá para o ombro, portanto, vocês não podem enganar-se.

Há seres que vivem essas Vibrações sem mesmo saber o que são esses pontos.
Há seres, neste planeta, que, sem estarem a par do que isso seja, vivem a totalidade desses Circuitos, uma vez que é uma ressonância de campos, que é acessível a todo o mundo.
Não é a explicação que cria a função.
Não é porque vocês têm a explicação, que isso vai Vibrar melhor do que naquele que não tem qualquer explicação.

Então, é claro, para aquele que vive isso pelo trajeto AL-AL, isso me parece um pouco difícil.
Porque, necessariamente, se vive isso, a pessoa que não está a par das explicações tem já certo número de mecanismos, que ela vive, que provam que ela está num caminho espiritual (isso não existe de outro modo).
Mas a explicação não deve substituir a vivência.

Há, por exemplo, ao nível da Coroa Radiante da cabeça, pontos que se ativam, atualmente, sobre os quais jamais falamos, e sobre os quais UM AMIGO jamais se exprimiu.

Vocês têm, todos, pontos de percepção na cabeça que nada têm a ver com as Estrelas (que estão na pequena Coroa).
O importante é vivê-lo, não é a explicação.

Questão: eu coloco, no entanto, muito boa vontade.

A boa vontade não conduzirá jamais ao Coração.
Isso faz parte de sua história pessoal.

Há, entre vocês, quem sente todos os pontos e que já penetrou a Existência.
Outros, que não penetraram a Existência, e que sentem unicamente a Coroa da cabeça.
E outros, que sentem a Coroa do Coração.

O que isso quer dizer?
Não se pode estar cortado desse gênero de sentir, porque está ligado à penetração da Luz.
É a Luz que, penetrando em vocês (pelo Supramental e, agora, pelo Coração), ativa esses Circuitos.

Quando vocês fazem trabalhos, vocês focalizam sua Atenção e sua Consciência nesses pontos.
Agora, será que lhes foi dito que isso devia abrir-se, assim, em dois minutos?

Há aqueles que nada fizeram e que estão abertos.
E outros, que buscam, e que fazem muito trabalho, e que não estão abertos.
Isso faz parte do destino de cada um.

Agora, vocês sabem que o mês da Graça ainda não terminou.
Há seres que, por exemplo, nada sentiam desde anos, seguindo, ao mesmo tempo, os Casamentos Celestes, e que se abrem, agora, de repente.

Há seres que sentem esses pontos de Vibração há vinte anos.
À época, eram necessários anos para sentir um ponto de Vibração, ao nível dos Novos Corpos.
Hoje, aqueles que se abrem põem-se a sentir quase tudo de repente.

Mas, ainda uma vez, eu insisto: a boa vontade não é absolutamente um elemento suficiente nem necessário.
Porque a boa vontade é exatamente o contrário do Abandono à Luz.

E existem alguns seres em que é preferível, pelo momento, não viver essas Vibrações, porque o ego destas se apreenderia.

Agora, eu não digo que é seu caso, isso pode ser outra coisa.
Mas isso quer dizer, em definitivo, que não é ainda o momento.
Mas poderá ser o momento amanhã.

Não basta desejar ter o Coração aberto para que o Coração seja aberto, não é?
Sem isso, toda a Terra estaria aberta, com todos os seres humanos que reivindicam o Coração.

Questão: como funciona o Verbo criador? Cria-se realmente o que se pensa?

Jamais!
É uma Ilusão.

Mostre-me alguém que é capaz de criar um amendoim.
Vocês criam ressonâncias e linhas de ressonância que podem, ao final de certo tempo, fazer de vocês Criadores de sua própria realidade.
É a Lei de Atração e de Ressonância.

Mas a Lei de Atração e de Ressonância nada tem a ver com o Verbo Criador.
O Verbo Criador é o que se abre, atualmente, para aqueles que vibram ao nível do 11º corpo.
E, ainda, não há Criação Instantânea.

A Criação Instantânea será eficiente quando vocês penetrarem na Existência, uma vez que vocês se tornam o que criam, e criam o que vocês se tornam, a cada instante.

Lembrem-se de que o ser humano, nós, temos, todos, tendência a imaginar que, porque dizemos algo, é uma realidade.
Isso se chama: as crenças.

Você pode crer no CRISTO durante milhares de vidas; não é por isso que o CRISTO será real para você.
As crenças são os obstáculos para a experiência.

Enquanto você não está desembaraçado de suas crenças e de sua boa vontade, enquanto você está na Dualidade, enquanto você considera que tudo está ligado ao Bem e ao Mal, você não pode penetrar a Unidade.
É necessário, já, aderir ao princípio da Unidade.

O problema é que o ser humano está confinado nessa Dualidade Bem / Mal.
E tudo, na vida, está sob a influência do cérebro, o mais arcaico, que vai dizer-lhes: «isso é bem, isso é mal».
Enquanto vocês não superam isso, vocês não têm acesso à Vibração.
Não é uma questão de boa vontade, é uma questão de Abandono à Luz.
Mas isso foi desenvolvido muito, muito longamente.

Do mesmo modo (por exemplo, nos ensinamentos orientais), antes dos Novos Corpos, foi feita referência aos chacras, com descrições extremamente precisas (anatômicas, fisiológicas, energéticas etc.).
Vocês leem isso. Então, vocês dizem: eu creio nos chacras; mas será que vocês vivem os chacras?
Será que vocês sentem a rotação dos chacras?
E, no entanto, eles estão aí.
É o mesmo processo.

Um chacra gira sempre; sem isso, vocês morrem, mas ele gira no mínimo.
Quando ele se põe a girar, realmente?
Na fase de abertura.

Agora é diferente, porque, com os Novos Corpos, são estes que tomam a dianteira da cena.

Mas, no tempo antigo, quanto ao despertar do Kundalini, vocês podiam ler tudo o que quisessem, sobre o Kundalini. Mas será, contudo, que isso despertava o Kundalini?
Existe certo número de barreiras.
Essas barreiras estão ligadas à sua própria Consciência.
Não há qualquer barreira exterior.

Agora, há seres que vivem o abrasamento total e a Fusão na Unidade, cada vez mais, agora, sem passar, mesmo, pela ativação ponto por ponto.
Tudo é diferente para cada um.

Mas não se pode ser cortado desses sentires.
Se não se sente, é que isso não está aí, sobretudo para esses Novos Corpos.

Não confundam o Verbo Criador com o pensamento criador.

Não temos mais perguntas, agradecemos.

Então, caros amigos, eu lhes agradeço por sua Atenção.

Todo o meu Amor os acompanhe.

E aqueles que não Vibram ainda, Abandonem-se à Luz e vocês Vibrarão instantaneamente.
É efetivamente a única Verdade que se pode dizer, se vocês não Vibram.

Não há qualquer obstáculo fisiológico.
Não há qualquer obstáculo exterior, sobretudo dada a quantidade de Luz que se derrama sobre a Terra atualmente.

Então, é claro, vocês não estão todos ao nível do Fogo do Coração, mas a Cruz da Redenção, ela está na cabeça: vivê-la, isso quer dizer ser Crucificado, quer dizer Abandonar toda vontade.
E abrir-se à Luz, ao limite, isso quer dizer: não mais estar aí.

A partir desse momento, a Luz precipita-se em vocês, uma vez que ela está aí.

E eu lhes digo até muito em breve.
Fiquem bem."

__________________
Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo, se deseja divulgá-lo, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: www.autresdimensions.com.

Versão do francês: Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

MEDITAÇÃO DA LUZ DOURADA

MEDITAÇÃO DA LUZ DOURADA
Deve-se estar sentado confortável com a coluna vertebral bem direita. Começamos por inspirar profundamente pelo nariz e expiramos pela boca. Visualizamos a inspiração em energia branca e pura e a expiração levando todas as toxinas e energias negativas em névoas negras. Seguidamente concentramo-nos na energia do universo, das estrelas, dos planetas e focalizamo-nos em inspirar essa energia, preenchendo-nos completamente com ela. Sentimos o nosso corpo envolvido e preenchido com essa energia de paz e amor universal. Mantemos esta sensação durante cerca de dois minutos e depois, lentamente, pensamos somente em inspirar paz. Pensamos na paz e concentramo-nos na respiração desse sentimento, um sentimento de paz. Quando expiramos, enviamos paz também para o universo, preenchendo-o. Fazer esta respiração durante cerca de dois minutos e está-se pronto para a Meditação da Luz Dourada. Visualizamos de seguida, que inspiramos uma luz dourada. Sentimo-la a entrar para os nossos pulmões e a espalhar-se por todo o nosso corpo. Fazêmo-lo nove vezes. Passamos a respirar regularmente pelo nariz. Depois, começamos a visualizar uma linha dourada desde a base da espinha até ao topo da cabeça. Visualizamos essa linha dourada da grossura de um fio de electricidade. Fazêmo-lo nove vezes. Visualizamos então a grossura do fio dourado a aumentar lentamente até atingir a grossura de um lápis. Sentimos a luz dourada desde a ponta da espinha até ao topo da cabeça. Novamente sentimos a expansão da grossura da luz dourada até atingir a grossura de um dedo a fluir desde o topo da cabeça até à base da espinha. Agora, sentimos a luz a expandir-se para uma coluna de luz dourada que flui desde a base da espinha até o topo da cabeça. Visualizamos esta bela coluna de luz dourada a expandir-se lentamente até nos envolver completamente todo o corpo. Ficamos a sentir, pacificamente, essa luz dourada a envolver-nos. Agora, lentamente visualizamos a coluna de luz que nos envolve, a transformar-se num grande ovo de luz dourada que nos envolve completamente. Sentimos a sua paz e também a sua protecção. Tudo o que está dentro desse ovo cintila de energia, alimenta a nossa aura de energia e fortalece-a. Ficamos durante cerca de dois minutos sentindo-nos envolvidos por esse ovo de luz dourada. Depois, começamos a visualizar o encolhimento do ovo dourado. Primeiro sentindo-o voltar à forma de coluna, e depois lentamente sentimo-la encolher até à base da espinha e ao topo da cabeça. Depois sentimo-la a encolher lentamente até ficar do tamanho de um dedo, depois de um lápis, e finalmente, da grossura dum único fio dourado. Agora, sentimos a energia desse fio dourado a fluir desde a base da espinha até ao topo da cabeça e focalizamo-nos no ponto de intersecção das linhas do terceiro olho e do topo da cabeça. Respiramos por nove vezes, sentindo a energia da luz dourada nesse local da cabeça e depois, deixamos a energia fluir de novo para a boca, estômago, baixo abdómen, deixando-a dissolver-se aí lentamente. Respiramos fundo mais umas quantas vezes e sentimos toda a paz e protecção que essa luz dourada nos proporcionou. Sentimos que podemos fazer esse exercício sempre que quisermos, envolver-nos nessa luz dourada e fortalecer a nossa aura com a sua protecção e energia.

Seguidores

Follow by Email

“O que for a profundeza do teu ser, assim será teu desejo.

O que for o teu desejo, assim será tua vontade.

O que for a tua vontade, assim serão teus atos.

O que forem teus atos, assim será teu destino.”

Brihadaranyaka Upanishad

Transforme-se em ti mesmo e descubra quem você é.

Transforme-se em ti mesmo e descubra quem você é.
Seja LUZ !!!

DEIXE A TUA LUZ BRILHAR

DEIXE A TUA LUZ BRILHAR
Desperte para a regeneração da alma e do próprio corpo físico, começando por se desintoxicar daquilo que desequilibra a tua saúde física. Depure e purifique teus pensamentos, olhando mais para o Sol da verdade, do que para as nuvens da ignorância. Quem se faz luz não teme a escuridão, nem nevoeiros passageiros. Sabe que tudo que não for essencialmente divino, passa e se transmuta. Sendo assim, transmute-se!